PÁGINAS

07/12/2017

Dom Casmurro

http://www.artesanatoirene.blog.br/2017/11/dom-casmurro.html
Sinopse/comentário

Vamos com mais uma dica de livro.

O livro de hoje é um livro antigo, mas com uma história belíssima.
Um clássico da literatura brasileira.

"Dom Casmurro" de Machado de Assis. 

Um romance da época do realismo no século XIX e escrito por volta dos anos de 1857 a 1875, publicado como livro no ano de 1900 fazendo parte da trilogia “Memórias Póstumas de Brás Cubas" (1881) e “Quincas Borba" (1892).

Ele começa dando uma breve explicação do nome Dom Casmurro e descreve uma juventude no auge dos seus sonhos e desejos, com apenas 15 anos. Com carreira predestinada pela família tradicionalista e extremamente católica que prega o poder da palavra e das promessas divinas.

Dona Glória a mãe de Bentinho, muito devota a Deus fez lhe uma promessa na qual o filho teria que ir para o seminário para seguir uma carreira eclesiástica. Antes de sua partida ao seminário Bentinho se viu interessado por sua vizinha Capitu. Nasce um amor entre os dois e Bentinho apaixonado não quer ir para o seminário, mas para cumprir a promessa feita por sua mãe se viu obrigado a pagar. E no seminário conhece Escobar e se tornam amigos, que junto com o agregado José Dias convencem Dona Glória a desistir da ideia de Bentinho ser padre. 
Bentinho então saindo do seminário foi estudar direito em São Paulo e quando volta casa-se com Capitu.

Ah não posso contar toda a história se não fica chato e você não vai querer ler o livro. 😉 

Gostei muito desse clássico embora tenha um final dramático, pois Bentinho e Capitu vive uma linda história de amor, mas por ciúmes ou implicância não sei direito o que é. Após casado nasce seu filho Ezequiel que Bentinho cisma ser filho de Escobar, por ter a fisionomia do amigo. E com essa dúvida já viu...  E o resto vai ter que ler o livro não tem jeito já contei demais!!


Uma obra que merece aplausos!!! 

Algumas informações tiradas do site abaixo.
https://garimpoliterario.wordpress.com/2015/09/09/artigo-trilogia-realista-de-machado-de-assis/